Grammarly: O meu truque para escrever melhor em inglês

Grammarly: O meu truque para escrever melhor em inglês

Hoje trago-vos uma breve opinião sobre um dos meus truques para escrever melhor em inglês. É uma espécie de salvador em imensos e-mails ou documentos que escrevo à pressa, dando conta de gralhas e do mal que as distrações fazem à gramática e sintaxe. Não é que não soubesse escrever em inglês; mas, depois de testá-lo, fiquei surpresa por quão preguiçosa estava a ser às vezes e como o Microsoft Word não conseguia encontrar todos os erros.

Alerta: Se instalarem o programa/app através dos meus banners ou links, façam-no no computador, por favor, pois em mobile não conta para mim.

Digam “olá” ao Grammarly:

Nos próximos parágrafos, vou partilhar um pouco da minha experiência e algumas das vantagens que me convenceram a testá-lo há alguns anos atrás e a usá-lo até hoje. Vou também partilhar alguns screenshots da versão grátis, para terem uma ideia do que poderão encontrar. Desculpem as legendas em inglês, mas reaproveitei as imagens do post original e não carreguei ainda as cópias em Português (infelizmente o WordPress obriga a ter a biblioteca de multimédia com duplicados, em vez de ter apenas a metadata traduzida). No entanto, recomendo vivamente que experimentem e façam download, mesmo que seja apenas a versão grátis (não se esqueçam de usar o meu link!). Não pretendo alongar-me muito hoje, pelo que não vou explicar cada funcionalidade e como tudo funciona, já que o programa é também bastante intuitivo e existe muita informação disponível na página deles, em especial nos FAQ, e noutros blogs que indico no fim. Anda assim, não se esqueçam que a perfeição total é uma utopia e o Grammarly não é o Deus-todo-poderoso da Gramática que vai corrigir todos os erros com um clique apenas, pois ele assenta na utilização de inteligência artificial, que vai também evoluindo. Contudo, podem acreditar que vai corrigir muito mais e melhor do que algumas vez viram até hoje!

Preview of Grammarly web app – Grammar errors (1)
Preview of Grammarly web app – Grammar errors (2)

Uso o Grammarly, normalmente através da browser extension ou a web app, tanto para trabalho como para textos pessoais, há dois anos. Inicialmente, usava também o plugin para o Microsoft Word e para o Microsoft Outlook quando tinha um computador Windows no trabalho. Além disso, também o recomendei ao Pedro (o meu parceiro) há um bom tempo atrás, dadas as mais-valias de usar qualquer uma das opções no trabalho. O Grammarly propõe correções de palavras ou frases em tempo real, duma forma visual bastante apelativa e user-friendly, mostrando breves explicações para a alteração ou, nalguns casos a aconselhar pelo menos a revisão, para termos a certeza de que pretendemos manter o texto de determinada forma. Caso pretendam usar a web app, podem também ver os sinónimos de determinadas palavras para garantir um texto menos repetitivo ou até encontrar aquela palavra que está na ponta da língua e que ficaria melhor em determinado contexto, quando nos lembramos doutras palavras apenas. Exatamente, não é um corretor gramatical básico, igual aos que já devem ter experimentado noutros programas, mas sim uma solução robusta e completa, potenciada por inteligência artificial.

Preview of Grammarly web app – Synonyms and premium alerts

A forma mais comum e imediata de usá-lo é na própria web, através da extensão para o browser, tanto nas páginas em que estamos a trabalhar como através de uma web app no próprio website da Grammarly. É possível usá-lo em quase todas as páginas, caso estejamos a usar um browser compatível (confirmem os detalhes nas FAQ deles) e tenhamos a extensão da Grammarly ativada. Assim, funciona ao escrevermos e-mails, ao respondermos a inquéritos ou ao comentarmos em fóruns e blogs, ao escrever no Facebook, entre outros tantos sítios… Facilmente verão a magia acontecer, enquanto escrevem, e terão apenas que clicar na sugestão de alteração, para aceitar a correção, ou rejeitar, pois não é preciso reescrever manualmente (à exceção de alguns alertas premium que nos pedem para rever frases confusas ou longas).

Preview of Grammarly Chrome extension using Gmail

Se usarem a web app, podem criar ou carregar documentos diretamente lá, sendo que os textos ficam também guardados. A app tem mais funcionalidades que usar a extensão. Por exemplo, se usarem a extensão no browser, noutro website como o Gmail, e quiserem usar algumas das funcionalidades adicionais, basta clicarem no ícone do Grammarly para que uma pop-up de edição abra. Nessa pop-up, podem então editar o texto e utilizar um painel de funcionalidades mais completo, assim como atualizarem configurações relevantes. Depois, basta carregar novamente num ícone para minimizar a pop-up e regressarem à janela anterior. Infelizmente, parece-me que esta pop-up é ligeiramente mais limitada que a própria web app, pois não consigo utilizar a funcionalidade dos sinónimos, ainda que pareça que funcione (a palavra fica sublinhada a azul, mas depois os sinónimos não aparecem). Por isso mesmo, normalmente uso a versão de edição rápida, na própria página onde estou a trabalhar; e, se pretendo uma edição com mais funcionalidades, prefiro utilizar a web app, em vez da tal pop-up.

Preview of Grammarly Chrome extension (pop-up)

Podem também fazer download do plugin para o Microsoft Word e Outlook ou usar a App para desktop. Sim, vejam só a maravilha que é poder usar isto juntamente com os produtos Microsoft Office. Infelizmente, mais uma vez, há umas pequenas limitações que têm que ser tidas em conta: o plugin não funciona na versão para MacOS e o comando de “desfazer alterações” pode ainda não funcionar com a versão para Windows (pelo menos não funcionava quando usava o plugin no ano passado). Se usarem na versão para Windows e quiserem usar o comando “desfazer alterações”, precisam de desativar o plugin (no cabeçalho do documento/e-mail), sempre que não precisarem dele, para garantir que o comando está novamente ativo e não stressarem por não conseguirem recuperar texto apagado ou alterações que já não pretendem. Ainda que não consiga usar no MacOS (e, portanto, não consigo testar se este problema do “desfazer alterações” já foi corrigido entretanto), podem instalar, alternativamente, a app para MacOS e, assim, validar os vossos textos na própria app, formatando-os posteriormente no Microsoft Office. Copy-paste no seu melhor, é um facto; mas, melhor que nada! Por fim, não sei algum dos produtos deles funciona corretamente nas versões online do Word e do Outlook, através da versão web do OneDrive/Office 365 (ainda tenho que testar isto melhor também, pois as minhas primeiras tentativas não foram em sucedidas).

Para além das opções que mencionei acima, existe uma App que permite substituir o teclado nativo no telemóvel, mas mal testei essa opção até agora e, portanto, não tenho ainda uma opinião formada. Não se esqueçam que disse, há uns dias, que as minhas opiniões seriam sempre honestas e transparentes, baseadas na minha experiência e não jogadas de marketing.

Por fim, e sem me alongar muito mais, existem algumas funcionalidades adicionais, bem interessantes, que podem depois explorar melhor 🙂 tais como: definição de objetivos (indicado tipo de texto, tom, audiência, etc.) e métricas de desempenho (e.g., nível de desempenho, facilidade e tempo de leitura, etc.).

Preview of Grammarly web app – Performance

Os robôs não vieram para nos substituir; eles vieram para nos ajudar a desempenhar melhor! Portanto, estão à espera do quê para testarem o Grammarly?

Há a subscrição grátis (que usei até recentemente) que chegará para vos convencer a continuar com o Grammarly depois de lhe darem uma chance. Se ficarem mega fãs como eu também, recomendo passarem à versão premium, tal como fiz há um par de semanas atrás, pois só assim conseguem rever o vosso texto com todas as funcionalidades disponíveis (e.g., escolha de palavras, pontuação de frases compostas/complexas, linguagem fraca ou incerta, formatação imprópria, utilização da voz passiva não recomendada, etc.). Adicionalmente, conseguem ainda obter sugestões de vocabulário, para não soarem repetitivos e verificarem se o vosso texto contém plágio. Se quiserem, vejam a comparação entre a subscrição grátis e premium, onde poderão encontrar mais informação e a lista completa de funcionalidades (mas, não se esqueçam de voltar aqui e clicar nos meus banners/links de affiliate, se decidirem instalar!).

Para finalizar, deixo-vos o meu top de vantagens e desvantagens:

Vantagens:

1 – Serve para todos, tanto para documentos de trabalho como para textos pessoais, para qualquer idade e nível de conhecimento de inglês;
2 – É compatível com a maioria dos browsers/websites e até funciona no telemóvel, podendo optar inclusive por instalar a extensão, a app que mais nos servir ou o plugin para o Microsoft Word e Outlook, usando até 5 equipamentos em simultâneo;
3 – A versão grátis já é suficientemente boa para uma utilização corrente, em qualquer domínio;
4 – É possível definir a variante do inglês (Americano, Britânico, Canadiano ou Australiano) e diferentes tipos de objetivos (linguagem de negócio, casual, formal/informal, etc.);
5 – Mesmo na versão grátis, não somos inundados de publicidade (à exceção de alguns apelos para fazer upgrade), pelo que podemos trabalhar sem distrações. A contrapartida é apenas ter acesso a menos funcionalidades.

Desvantagens:

1 – Não existe plugin para o Microsoft Office no MacOS, nem no Microsoft Word Online se usarmos o OneDrive web (mesmo usando a extensão no browser);
2 – Está disponível apenas para inglês, não havendo outros idiomas;
3 – A versão premium é um pouco cara, comparando os rendimentos de alguns países e especialmente se tivermos que pagar o preço geral sem descontos (no primeiro ano até parece sustentável, mas, passado bastante tempo, torna-se caro, especialmente se compararmos o modelo de subscrição com o tradicional pagamento único)… Mas, não se esqueçam que é preciso manter e trabalhar continuamente no produto, para garantir que ele acompanha a evolução da língua e aprende cada vez mais;
4 – Não existe subscrição familiar, como é possível no Spotify ou Youtube, pelo que se torna caro se todos em casa quiserem usar a versão premium na sua própria conta ou se tivermos que ativar uma conta business (mesmo não sendo uma empresa);
5 – Se usarmos a web app com volumes de texto ou listas bastante grandes, parece que algumas gralhas passam despercebidas, de vez em quando, não sendo apresentada sugestão de correção (Estou a ver se reporto estas situações pontuais, para que eles possam analisar e ver o que se passou).

Se ainda não estão convencidos, deixo-vos mais algumas leituras…

Forbes:
The amazing ways google and grammarly use artificial intelligence to improve our writing
The 10 best ways to edit your copy
Outros artigos que vos podem dar uma visão ainda mais completa das funcionalidades (mas não se esqueçam de voltar ao meu post e clicar nos meus links, se forem instalar o programa, para ajudarem o meu blog a crescer):
Becomeawritertoday.com – grammarly review
PCMag Grammarly Review

Fazendo um último apelo, experimentem a opção grátis ou façam depois um upgrade para a versão premium version (nalgumas alturas com desconto até), clicando aqui ou no banner que aparece no início do post! Se estiverem a testar a versão grátis, confirmem por favor que, para além de se registarem, instalam também um dos produtos (por exemplo, a app para desktop ou a extensão no browser) e que o fazem no computador (e não no telemóvel/tablet).

Espero que gostem de usá-lo tanto quanto eu! Não se esqueçam de deixar o vosso comentário aqui, com a vossa opinião, especialmente se arriscaram experimentá-lo 🙂

Até brev,
Andreia

3 Replies to “Grammarly: O meu truque para escrever melhor em inglês”

  1. Fantastic website you have here but I was wondering if
    you knew of any message boards that cover
    the same topics discussed in this article?
    I’d really like to be a part of online community where
    I can get comments from other experienced individuals that
    share the same interest. If you have any recommendations,
    please let me know. Thank you!

  2. Hi this is kind of of off topic but I was wondering if blogs
    use WYSIWYG editors or if you have to manually code
    with HTML. I’m starting a blog soon but have no coding experience so I wanted to get guidance from
    someone with experience. Any help would be greatly appreciated!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *